Connect with us

Aprendizado

Crianças no celular: quanto tempo devem usar e 7 sinais de excesso

Nicole Rizzutti Lemos

Publicado

em

Tempo de Leitura: 6 minutos

Quase 90% das crianças e dos adolescentes brasileiros estão conectados à internet. Desses, 95% usam o celular como principal dispositivo para acessar sites e aplicativos.

Esses dados, obtidos a partir de um levantamento de 2019 do Comitê Gestor da Internet no Brasil, endossam o fato de que o mundo online faz parte da realidade da maioria da população — e é praticamente impossível pensar que essa “dependência digital” vá diminuir nos próximos anos (ou nas gerações futuras).

Por um lado, a internet pode aproximar as pessoas e abre muitas possibilidades de aprendizado e entretenimento. Por outro, há o risco de exagero no tempo conectado, de acesso a conteúdos inapropriados ou de golpes e exposição indevida, ainda mais quando falamos dos jovens.

Mas como pais, mães e tutores podem garantir que seus filhos façam um uso mais saudável de celulares e outros dispositivos? E como identificar quando essa relação com as telas passou dos limites?

A BBC News Brasil ouviu especialistas no tema e resume a seguir os sete sinais de que há algo errado e o que pode ser feito para melhorar essa relação com o mundo digital.

1. Ficar muito tempo vidrado nas telinhas

A fonte da maioria das recomendações é uma série de artigos publicados entre 2019 e 2021 pelo Grupo de Trabalho Saúde na Era Digital da Sociedade Brasileira de Pediatria (SBP).

“E todas as nossas diretrizes estão alinhadas com as orientações divulgadas pelas academias de pediatria dos Estados Unidos, do Canadá e da União Europeia“, ressalta a médica Evelyn Eisenstein, coordenadora do grupo brasileiro.

O primeiro ponto que os especialistas chamam a atenção envolve a quantidade de horas que crianças e adolescentes passam conectados.

No mundo ideal, o limite de tempo em contato com celularestablets e computadores é determinado pela faixa etária, como você confere a seguir:

  • Menores de 2 anos: nenhum contato com telas ou videogames;
  • Dos 2 aos 5 anos: até uma hora por dia;
  • Dos 6 aos 10 anos: entre uma e duas horas por dia;
  • Dos 11 aos 18 anos: entre duas e três horas por dia.

“Precisamos lembrar que o dia tem 24 horas. Se o jovem fica 4 ou 5 horas conectado, isso já representa 20% do tempo disponível”, calcula Eisenstein.

2. Ter acesso a conteúdos inapropriados

Mas não é apenas com a quantidade que os especialistas estão preocupados. Eles também pedem muita atenção com a qualidade dos conteúdos que os jovens acessam.

“Estima-se que metade dos pais não tem ideia do que seus filhos consomem na internet“, informa Eisenstein.

“E as crianças não sabem bloquear mensagens indevidas, enquanto o mundo online está cheio de agressores e predadores”, complementa a pediatra.

A orientação, portanto, é supervisionar a atividade dos menores em sites e aplicativos. Muitos celulares e serviços online, inclusive, possuem ferramentas e filtros que permitem esse controle parental.

A SBP orienta que crianças e adolescentes não utilizem computadores, tablets e celulares em lugares isolados da casa, como o quarto ou o escritório, mas, sim, em locais onde os adultos estejam sempre por perto.

3. Trocar o dia pela noite

Quando o contato com as telas ultrapassa todos os limites, um dos quesitos mais prejudicados é o sono.

“É normal vermos crianças que ficam jogando ou mexendo nas redes sociais até altas horas da madrugada”, conta o psicólogo Thiago Viola, professor da Escola de Medicina da Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul.

“E nós sabemos como o sono é importante para nossa saúde, ainda mais durante a infância e a adolescência”, completa.

Estímulos luminosos durante a noite inibem a melatonina, o hormônio do sono

É justamente durante o descanso noturno que o corpo se desenvolve e o cérebro solidifica as memórias e os aprendizados.

Quando o jovem troca o dia pela noite, todos esses processos são prejudicados, o que pode trazer repercussões para a vida inteira.

“O ideal é limitar o contato com estímulos luminosos que vêm das telas conforme anoitece”, orienta o médico Rodrigo Machado, do Ambulatório Integrado dos Transtornos do Impulso do Instituto de Psiquiatria do Hospital das Clínicas de São Paulo.

“A luz prejudica a produção da melatonina, hormônio que dita o ritmo de 24 horas do dia. Sem a presença dessa substância, todo o processo do sono acaba atrasado”, explica.

4. Abandonar o convívio, a rotina e as atividades sociais

Outros sinais típicos de que o jovem está exagerando no tempo de telas é o abandono, parcial ou completo, de todas as atividades fora da internet, como as práticas esportivas, culturais e de lazer.

Outro sintoma preocupante é a substituição do convívio com amigos, pais ou familiares pelos jogos de videogame ou a interação pelas redes sociais.

“Esbarramos mais uma vez na questão do limite: quando o uso do celular faz com que as crianças ou os adolescentes deixem de cumprir as funções básicas, como comer, dormir, tomar banho, preparar a lição de casa ou fazer atividade física, algo está errado”, exemplifica Eisenstein.

Os especialistas dizem que a rotina e o estabelecimento de regras claras é fundamental nas primeiras décadas de vida e deve incluir aqueles que estão na primeira infância.

“Nesse contexto, os pais de crianças menores não podem usar o celular ou o tablet como uma ‘bengala’, para deixar a criança entretida enquanto eles fazem outras atividades”, destaca Viola.

Muitas vezes, esse acesso ilimitado às telas numa idade tão tenra é o início de um processo que vai desembocar no uso abusivo de dispositivos eletrônicos pelos anos que virão.

5. Sofrer uma queda no rendimento das aulas

O documento da SBP também pede que pais e tutores prestem atenção na “queda do rendimento, fracasso, abandono ou evasão escolar”.

Observe, portanto, se a criança ou o adolescente está passando muitas horas na frente do computador ou do celular e, em paralelo, as notas e o comportamento em sala de aula sofreram alguma alteração.

Em alguns casos, é possível que exista uma conexão entre esses dois fenômenos.

O celular pode ser uma ferramenta de aprendizado ou prejudicar a educação de crianças e adolescentes

“E não podemos ignorar o fato de que as escolas e os educadores têm uma responsabilidade em toda essa discussão, ainda mais quando estamos numa pandemia, em que muitas atividades escolares precisaram acontecer à distância, por meio dos aplicativos de videochamada”, contextualiza Eisenstein.

6. Estar envolvido em episódios de bullying

É preciso ficar de olho neste tipo de discriminação no mundo físico e no digital — e tanto agressor quanto vítima precisam de cuidados.

“A criança mais velha e o adolescente podem ser alvos de cyberbullying e passar por um processo de ‘cancelamento’ de todo o círculo social”, descreve Viola.

“Em alguns casos, fotos, vídeos e detalhes íntimos do alvo caem na rede, o que vai gerar muitas repercussões emocionais e psicológicas”, alerta.

Machado lembra que o mundo digital pode propiciar um comportamento mais agressivo dos usuários. “Como você não vê a reação do outro, acaba se sentindo mais à vontade para compartilhar emoções primitivas, sem um freio crítico ou moral”, raciocina o psiquiatra.

“Ou seja: há uma propensão em perpetuar e naturalizar comportamentos extremados nas redes”, complementa.

A melhor ferramenta, garantem os especialistas, é a prevenção: pais e tutores precisam ficar atentos e orientar os mais jovens como se comportar nessas situações.

Quando o bullying escalou e já atingiu um nível mais grave, muitas vezes será necessário envolver os familiares de agressores e vítimas, representantes da escola e algum tipo de mediação feita por psicólogos ou outros profissionais que atuem nessa área.

Ficar longas horas sentado na frente de um computador afeta a postura e está relacionado a dores musculares e na cabeça

7. Desenvolver problemas no corpo e na mente

O uso excessivo de celulares e outros dispositivos conectados à internet pode dar as caras em uma série de sintomas e doenças. A SBP lista alguns nas diretrizes publicadas nesses últimos anos:

  • Transtornos do sono, como insônia;
  • Transtornos alimentares, como bulimia e anorexia;
  • Sedentarismo;
  • Obesidade;
  • Dores de cabeça;
  • Dores musculares relacionadas à postura;
  • Irritabilidade, agressividade e condutas violentas;
  • Ansiedade e depressão.

Uma parcela desses incômodos está relacionada com o tempo prolongado de inatividade. Quem fica muitas horas sentado na frente de um computador, por exemplo, possui menos tempo para fazer exercícios físicos e pode sofrer com dores nas costas pela postura inadequada.

Outra parte dos sinais, porém, tem um fundo emocional e afetivo. “O acesso a conteúdos sobre emagrecimento e a busca de um corpo idealizado aumenta o risco de transtornos alimentares”, cita Eisenstein.

Como resolver esses problemas?

Considerando o fato de que os celulares são parte da rotina da vasta maioria das pessoas, será que é possível ter uma relação mais saudável com a tecnologia? E como identificar as situações em que o uso desses dispositivos ultrapassou os limites, especialmente na infância e na adolescência?

“A primeira intervenção é se desconectar aos poucos. De nada adianta castigar ou tirar o celular da criança ou do adolescente de forma brusca e definitiva”, aponta Eisenstein.

“E, claro, esse ato de se desconectar da internet precisa envolver todos os integrantes da família, não apenas os jovens”, destaca a pediatra.

Viola reforça a necessidade de estabelecer limites. “A criança e o adolescente precisam saber que podem entrar na internet por um determinado número de horas por dia.

Por fim, vale reforçar que existem formas de identificar e tratar os quadros de vício no uso de celular e outros dispositivos eletrônicos.

“Se o jovem apresenta dificuldades nos âmbitos social, profissional, educacional ou familiar, é necessário buscar a avaliação de um profissional de saúde”, orienta Machado.

Para os casos em que há diagnóstico de um transtorno, como uma dependência de videogames, é possível intervir por meio da terapia cognitivo-comportamental, uma abordagem da psicologia que busca analisar, racionalizar e propor intervenções nos hábitos e nos pensamentos do paciente.

Fonte: BBC Brasil

Recentes:

Continue Reading
Clique para comentar
0 0 vote
Vote nesse Artigo
Subscribe
Notify of
0 Comentários
Inline Feedbacks
View all comments

COGNOS SPACE - Todos os direitos reservados

0
Would love your thoughts, please comment.x
()
x

Design by VENONE Agência de design